'#FundebEPublico': Esquerda unida contra a Educação


Por Ramiro Rosário, vereador em Porto Alegre


As redes sociais acordaram em polvorosa com o "twittaço" de políticos e figuras influentes da esquerda, os quais exigem do Senado Federal a rejeição da alteração na proposta para o Novo FUNDEB que prevê a destinação de até 10% de sua verba total para Instituições conveniadas do terceiro setor. Por meio da #FundebEPublico, prejudicam milhões de estudantes enquanto tentam convencer de que estão apenas defendendo o ensino público no Brasil. Não passa de uma mentira deslavada.


A emenda condenada pela esquerda estipula que Instituições comunitárias, filantrópicas e do Sistema S recebam até 10% dos recursos do FUNDEB, o que estimulará parcerias público-privadas na área da educação, tão importante em um País carente como o nosso. Mas na visão deturpada de partidos como PSOL, PT, PDT, PSB e PCdoB o mesmo dinheiro público que pode financiar diretórios e campanhas eleitorais em quantias exorbitantes não pode ser utilizado para financiar o ensino público em entidades privadas. E que se danem os estudantes.


Esse ideal socialista de que o Estado pode financiar tudo, de forma abrangente e prestando um serviço de qualidade, só funciona na cabeça de quem nunca precisou estudar em uma escola que não possui infraestrutura, equipamentos ou mão-de-obra disponível para oferecer o mínimo direito à educação. Na prática, são as PPPs que atendem às necessidades básicas dos cidadãos, como temos visto com a iluminação pública em Porto Alegre, e veremos com o saneamento básico, após a aprovação do novo marco legal.


É ultrajante que a esquerda mantenha alunos da educação básica reféns de um ensino deficitário apenas por questões meramente ideológicas. Não é isso que queremos para nossas crianças, pelo contrário. Queremos que todos os estudantes tenham acesso ao ensino público, seja ele prestado por uma escola pública ou por uma Instituição conveniada que firmou parceria com o poder público. Sem educação, não temos futuro.

77 visualizações0 comentário